Avisos

LINHAS DIRETAS

Apoio ao Cliente
212 726 001
Dias Úteis (9H00-16H30)
 
Comunicação de Leituras
212 726 101
24 Horas
Roturas na Via Pública
800 205 712
24 Horas
Piquete
212 726 161
24 Horas

Porque devem ser tratadas as águas residuais?

As águas residuais devem ser tratadas para defender os ecossistemas e os recursos naturais (solo, águas superficiais, águas subterrâneas, atmosfera), salvaguardar a saúde pública, a qualidade de vida e o conforto das populações.

Água residual: o que contém?
Uma água residual contém substâncias contaminantes 

Sólidos suspensos,
na sua maioria de natureza orgânica, que provocam a formação de depósitos de lamas e condições anaeróbias (ausência de oxigénio) quando lançados no meio aquático sem tratamento. 

Matérias orgânicas biodegradáveis,
compostas por proteínas, hidratos de carbono e gorduras e que quando lançadas no meio recetor podem ser consumidas por numerosos microorganismos, esgotando o oxigénio dissolvido na água. 

Microorganismos patogénicos,
de origem humana ou animal, que podem provocar diversas doenças infecciosas. Por exemplo, transmitidas por batérias (febre tifóide, cólera), virus (hepatite e poliomielite) e protozoários (paludismo). 

Nutrientes,
tais como o azoto e o fósforo, que quando lançados em grandes quantidades no meio aquático podem originar um crescimento excessivo de certas espécies aquáticas (sobretudo algas), desequilibrando o ecossistema (no limite até à sua eutrofização). 

Poluentes prioritários,
são compostos orgânicos e inorgânicos que podem ser cancerígenos, mutagénicos, teratogénicos ou de toxicidade aguda. 

Produtos orgânicos refractários,
são aqueles que resistem aos tratamentos convencionais, como por exemplo os detergentes, fenóis e pesticidas, e que se acumulam na cadeia alimentar. 

Metais pesados,
elementos químicos que resultam de atividades comerciais e industriais, como por exemplo o chumbo, o mercúrio ou o cádmio, que mesmo em pequenas quantidades são tóxicos para peixes, plantas e para o homem. 

Inorgânicos dissolvidos,
são elementos químicos tais como o cálcio, o sódio ou o sulfato, que não sendo ofensivos como os anteriores, se encontram presentes em quantidades muito superiores às que normalmente existem na água para consumo humano.