Tratamento

hidden

hidden

Breadcrumb

hidden

hidden

tratamento-aguas-residuais


Os SMAS de Almada garantem 100% de tratamento de águas residuais do Concelho de Almada, para proteção da saúde pública, pela qualidade de vida atual e futura, defesa do ambiente e ecossistema local.

Características do Sistema de Tratamento
ETAR em funcionamento 4
Laboratório de águas residuais 1
Taxa de tratamento (águas residuais) 100%

Pormenor ETAR da Mutela

A ETAR da Mutela, em funcionamento desde julho de 2003, foi concebida para tratar as águas residuais equivalentes a 147 000 habitantes, no seu horizonte de projeto (2020).

Com esta ETAR e a execução das obras terminais da Bacia de Almada, foram melhoradas as condições de drenagem de águas residuais e pluviais da bacia de Almada, contribuindo para a minimização das cheias da Cova da Piedade e para a melhoria da qualidade ambiental da zona da Mutela/Caramujo, decisiva para a reabilitação urbana da zona de Almada Nascente.

No estudo prévio, para a construção da ETAR da Mutela foi apontada uma solução prevendo a minimização de impactes ambientais negativos, nomeadamente ruído e odores. Neste sentido a solução previu a cobertura do tratamento da fase líquida até ao tratamento primário e de toda a fase sólida, bem como a instalação de todos os equipamentos no interior de edifícios.

O processo de tratamento consiste nas seguintes operações e processos unitários:

Fase líquida: elevação de caudal a 11,5 mca; gradagem de 3 mm; remoção de areias, óleos e gorduras em desarenador/desengordurador; tratamento físico-químico e decantação primária convencional; tratamento biológico por biomassa suspensa (lamas ativadas de média carga) com arejamento difuso; decantação secundária convencional; desinfeção final com ultra-violetas; reserva de efluente tratado para usos compatíveis; descarga final no rio Tejo.

Fase sólida: espessamento gravítico de lamas primárias; flotação de lamas secundárias; digestão anaeróbia com cogeração de energia; desidratação em centrífugas.

Fase gasosa: tratamento de odores da zona do pré-tratamento, tratamento primário, espessamento e desidratação de lamas em filtros de carvão ativado.

Visualizar o Diagrama de Processo

Indicadores de Exploração

pormenores-etar-mutela

 

Pormenor-etar-portinho-costa

ETAR do Portinho da Costa, em funcionamento desde dezembro de 2003, foi concebida para tratar as águas residuais equivalentes a 140.000 habitantes, no seu horizonte de projeto (2020).

Com esta ETAR, a bacia da Costa e da Trafaria ficou dotada de infraestruturas que contribuem decisivamente para a melhoria da qualidade ambiental da zona.

O município de Almada continua assim, a política de defesa ambiental há já várias décadas adotada, que se tem traduzido na ausência de lançamento final de esgotos nas praias da Costa de Caparica, as quais continuam a ser locais de veraneio preferidos dos habitantes das cidades de Lisboa, Almada e arredores.

No estudo prévio, para a construção da ETAR do Portinho da Costa, foi apontada uma solução que privilegiasse a sua integração paisagística e arquitetónica.

Neste sentido, a solução previu o tratamento da fase líquida em plataforma completamente enterrada e coberta, com uma camada de terra de pequena espessura e cobertura vegetal, para ter em conta a proximidade ao rio Tejo e os ângulos de visão da ETAR a partir de Lisboa, da estrada de acesso ou de avião.

O processo de tratamento consiste na seguintes operações e processos unitários: 

fase líquida: gradagem de 3 mm; elevação de caudal a 11 mca; remoção de areias, óleos e gorduras, tratamento físico-químico e decantação primária lamelar num só órgão; tratamento biológico por biomassa fixa em biofiltros; reserva de efluente e desinfeção para usos compatíveis; afinação e descarga final por emissário submarino com difusores no rio Tejo.

fase sólida: espessamento gravítico de lamas mistas; digestão anaeróbia com cogeração de energia; desidratação em centrífugas; estabilização de socorro por adição de cal viva; silo de armazenamento de lamas.

fase gasosa:  tratamento de odores por lavagem química em dois estágios em série.

Visualizar o Diagrama de Processo

Indicadores de Exploração

Pormenores-etar-portinho-costa

pormenor-etar-quinta-bomba

ETAR da Quinta da Bomba, em funcionamento desde 1994 é uma estação intermunicipal, que resulta de um projeto integrado de drenagem e tratamento de águas residuais urbanas dos municípios de Almada e do Seixal, concebida para tratar as águas residuais equivalentes a 198.290 hab-eq, no seu horizonte de projeto (2030).

Ao longo do seu período de vida, a ETAR da Quinta da Bomba tem sido objeto de obras de otimização e grande beneficiação de equipamentos.

No ano 2007 foi concluída a "Empreitada de Conceção-Construção para a Desodorização da Decantação Primária", passando a dispor de gradagem de malha fina (3 mm) e de cobertura dos decantadores primários, com extração e desodorização do ar viciado por lavagem química.

No ano 2018 foi concluída a "Empreitada de Ampliação e Beneficiação da ETAR da Quinta da Bomba", para reforço da eficiência e capacidade de resposta do tratamento primário, beneficiação do tratamento biológico com introdução de meio plástico, instalação de tratamento terciário de afinação, digestão de lamas e aproveitamento energético do biogás.

O processo de tratamento consiste nas seguintes operações e processos unitários:

fase líquida: elevação de caudal a 10 mca; gradagem de 3 mm; remoção de areias, óleos e gorduras em desarenador/desengordurador; digestor de gorduras; tratamento físico-químico e decantação primária convencional; tratamento biológico por biomassa fixa em leitos percoladores de alta-carga; decantação secundária convencional; filtração em filtros de areia; desinfeção final com ultra-violetas; reserva de efluente tratado para usos compatíveis; descarga final no Esteiro de Corroios.

fase sólida: espessamento mecânico das lamas mistas; digestão anaeróbia com cogeração de energia; desidratação em centrífugas.

fase gasosa: tratamento de odores das zonas de gradagem, tratamento primário, espessamento e desidratação de lamas, por lavagem química em dois estágios em série.

Visualizar o Diagrama de Processo

Indicadores de Exploração

pormenores-etar-quinta-bomba

pormenor-etar-valdeao

A ETAR do Valdeão, em exploração pelos SMAS de Almada desde 1996, foi concebida e construída pelo IGAPHE para o tratamento dos efluentes hospitalares do Hospital Garcia de Orta e parte do aglomerado populacional do Bairro do Matadouro, correspondendo a uma população de 7945 habitantes equivalente.

Ao longo do seu período de vida, a ETAR do Valdeão tem sido objeto de obras de otimização e grande beneficiação de equipamento.

Em 2009 foi concluída a empreitada de "Remodelação da obra de entrada da ETAR de Valdeão" passando a dispor de gradagem de malha fina (parafuso tamisador de 3 mm).

Em 2016 foi concluída a empreitada de "Construção e Remodelação de Infraestruturas da ETAR de Valdeão" para substituição de equipamento do tanque de arejamento e da decantação secundária; instalação de tratamento terciário de afinação; instalação de unidade de ultrafiltração para a reutilização de água tratada; reabilitação da linha de tratamento de lamas, incluindo a construção de depósito tampão e substituição do equipamento de desidratação mecânica.

O processo de tratamento consiste nas seguintes operações e processos unitários:

Fase líquida: válvula vórtice de controlo de caudal, gradagem de 3 mm, desarenação em canal, elevação de caudal, tratamento biológico por lamas ativadas de arejamento prolongado, filtração em tamisador; desinfeção final com ultra-violetas; reserva de efluente tratado por ultra-filtração para usos compatíveis; descarga final no rio Tejo.

Fase sólida: floculação das lamas biológicas; espessamento e desidratação em filtro de banda compacto.

Visualizar o Diagrama de Processo

Indicadores de Exploração

pormenores-etar-valdeao

logotipo-arut

Trata-se de um projeto piloto com uma implementação faseada e que tem como objetivo disponibilizar à comunidade uma fonte alternativa e segura de água não potável para ser usada em fins específicos, como lavagens ou regas de espaços verdes, por exemplo, e por entidades devidamente autorizadas. A reutilização destas águas poderá trazer vários benefícios, permitindo que a água potável venha a ser usada somente para consumo humano, preservando-se deste modo o recurso hídrico mais essencial à vida humana.

Numa primeira fase, os SMAS contam com a colaboração dos Transportes Sul do Tejo - TST - para testar a utilização de águas residuais urbanas tratadas nas lavagens da sua frota de veículos e foi juntamente com a presença do conselho de administração dos mesmos que se lançou simbolicamente o projeto. O evento iniciou-se com um discurso de apresentação das linhas essenciais que envolvem o projeto por parte das responsáveis pela ETAR, seguiu-se uma visita às instalações onde é feito o tratamento das águas residuais e os presentes puderam assistir à lavagem de um autocarro, já nas instalações dos TST.

Folheto Informativo - pdf (432KB)