Inovação e Desenvolvimento

Avisos

LINHAS DIRETAS

Apoio ao Cliente
212 726 001
Dias Úteis (8H30-17H30)
 
Comunicação de Leituras
212 726 101
24 Horas
Roturas na Via Pública
800 205 712
24 Horas
Piquete
212 726 161
24 Horas

iAFLUI

Os SMAS de Almada aceitaram o desafio de integrar o projeto nacional colaborativo designado "iAFLUI – Iniciativa Nacional para o Controlo de Afluências Indevidas", promovido pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil, que visa a implementação de um plano para controlo de afluências indevidas aos sistemas de drenagem de águas residuais (esgotos) e pluviais (chuva). Estas são a principal causa da deterioração dos sistemas e apesar dos elevados investimentos efetuados, comprometem a eficiência do serviço prestado, com reflexos negativos na qualidade e proteção do meio ambiente.
 
Iniciado em 2016 o iAFLUI inclui, entre outras ações: um diagnóstico inicial, a caracterização das causas de afluências indevidas; a identificação de áreas de intervenção prioritárias; a seleção de ações direcionadas, com implementação de medidas de minimização e controlo das afluências; a interiorização de um processo estruturado que contribua para adoção de boas práticas e focalização dos investimentos.  
 
O iAFLUI envolve uma vasta equipa interna colaborativa com vista a um diagnóstico, realizado no caso piloto, Emissário da Costa de Caparica, e a monitorização de cerca de 5000 metros de coletor. As técnicas consistem na utilização e interpretação de relatórios CCTV (inspeção vídeo de coletores), de ensaios de fumo e traçadores, colocação de medidores de caudal doméstico, udómetros e medidores de condutividade em zonas estrategicamente planeadas. A conjugação e interpretação de todos os dados permite identificar as principais afluências indevidas nomeadamente: infiltração; intrusão de águas salinas; nível  freático; águas industriais; resíduos urbanos; despejo de piscinas no coletor doméstico, águas pluviais no coletor doméstico.
 
O projeto tem contribuído para a criação de uma rede efetiva de partilha de experiências, resultados e soluções entre as 13 entidades gestoras de serviços de águas residuais e pluviais participantes. Permite difundir as melhores e mais recentes metodologias e ferramentas nesse domínio, e tem capacitado os profissionais e entidades envolvidas que passam ser veículos privilegiados de promoção de melhores práticas. 
 
A correta afluência das águas residuais e das águas pluviais às respetivas redes é determinante para o normal funcionamento e duração dos sistemas de drenagem e das 4 Estações de Tratamento de Águas Residuais do Concelho, permite preservar e restabelecer a qualidade do meio recetor (rio Tejo), devem por isso respeitar os parâmetros de qualidade estabelecidos. 
 
Os utilizadores podem contribuir com pequenas mudanças de hábitos. Tudo aquilo que deitar indevidamente nas redes terá repercussões nos custos e na eficiência dos sistemas:
  • Não vazar produtos tóxicos ou perigosos para o esgoto;
  • Não deitar lixo na sanita;
  • Para limpar e desinfetar escolher desinfetantes biológicos.